Neste sábado, 18 de novembro, a partir de dez e meia da manhã, tem o simulado anual para que as pessoas possam se preparar no caso de rompimento de barragens. A realização é da coordenadoria municipal de proteção e defesa civil COMPIDEC. A responsável pelo setor Nilma Macieira esteve nos estúdios da Rádio Itabira convidando a população pra participar do evento preventivo.

” A legislação ela traz como ZAS zona de auto salvamento as áreas onde as pessoas precisam se auto salvar. Então é nesse momento traz também para o empreendedor a obrigação de se realizar esse simulado e as agências de segurança como a Defesa Civil através dos órgãos das outras secretarias do município também traz as secretarias da prefeitura. Trás esse esse simulado com o apoio do empreendedor no município conforme traz a legislação. Então pra isso a gente vai treinar a população como fazer esse auto salvamento, como as pessoas vão proceder em caso de uma real necessidade envolvendo barragens. O empreendedor ele nos documentos protocolados tanto na Defesa Civil como nas nas agências de fiscalização. Como Agência Nacional de Mineração, SEMAD, SEDEC e FEAM que cada caderno do do plano de ação e emergência de barragens ele é protocolado através de uma dessas agências. Então o que acontece? Diante de tudo isso a SEDEC é a a Defesa Civil Estadual pela parte de evacuação e segurança das pessoas. Então, com isso traz a a nota técnica zero um de dois mil e vinte e dois, onde essa nota, ela trata exatamente isso. Ela, como vai ser essa evacuação, que esse simulado, ele é feito de forma anual. O objetivo maior é salvar vidas e nesse contexto a gente precisa condicionar essas pessoas pra que ela tenham realmente essa condição. Segundo o empreendedor ele traz pra gente novos estudos e os estudos a cada ano isso é aprimorado. Então às vezes a mudança da rota de fuga, há uma mudança em si zona de auto salvamento ou a mancha de inundação ela muda pode ter uma um aumento lateralmente ou pode ter um aumento também com relação a onde vai atingir mais outras famílias e o que acontece com isso? Em todos esses estudos que são feitos a gente precisa condicionar as pessoas a a se auto salvarem. Por exemplo, hoje tem uma uma família que ela não não está na mancha, mas teve um novo estudo e teve um aumento lateral da da dessa mancha. Então essa família vai passar a pertencer a essas ZAS. Então com isso essa família tem que estar condicionada a participar. Tem casos que a gente fez o simulado as pessoas entenderam que aquele local pra onde estava sendo direcionado feito pelos estudos do empreendedor não era o mais interessante que ela poderia ter um outro caminho alternativo. Então com isso os estudos também a gente vai atualizando os cadernos do plano de ação emergência de barragem que a gente chama de PAEBM. E nessas atualizações a gente precisa levar esses novos conhecimentos pra comunidade. Também a gente tem que pensar aquela pessoa que ela já já participou alguma vez em algum momento ela tem essa oportunidade de treinar de novo, porque uma comunidade melhor treinada vai ser uma comunidade melhor preparada então para isso é importante a comunidade sempre treinar sempre se condicionar. E aquela pessoa que às vezes não mora na mancha evita no dia do simulado, aquela área de mancha para não participar do simulado mas pode ser que tenha a mãe, um parente, alguém, então é interessante que a gente desloque até a casa dessa pessoa ensina essa pessoa o que fazer, porque se tiver algum evento no município, as ruas serão fechadas, as pessoas não conseguirão ter acesso àquelas pessoas que estão do outro lado, de uma zona de risco e aí você vai ter a certeza de que aquela pessoa vai tá segura porque ela sabe o que fazer.”

Reportagem: Euclides Éder

Ouça na íntegra:

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Solverwp- WordPress Theme and Plugin