O presidente do Poder Legislativo de Itabira, vereador Heraldo Noronha Rodrigues explicou a relação com os professores depois da tramitação do plano de cargos e salários e também do Estatuto do Servidor. Segundo ele a defesa era para benefício de forma igual. Não só para o profissional mas também para aquele que atua na limpeza e na alimentação. As denominadas merendeiras que segundo o parlamentar de Itabira não estavam recebendo os mesmos benefícios da classe dos professores. Ele ainda explicou que os professores devem ser beneficiados sem esquecer as carreiras que atuam na prestação do serviço de educação no município.

“Esse plano de carga e salários, como a gente sabe que muitas pessoas que tenham condições melhor. Aí automaticamente eu sabia que eu ia ter essa retaliação. Porque quando aí professores a gente sabe que eles estão sendo beneficiados com esse plano e eles merecem ser beneficiado. Os professores eles estão ali na escola como psicólogo, como mãe, como pai, como médico, como fonoaudiólogo. Então assim eles estão no papel de o protetor do aluno e a gente sabe quem sabe isso muito bem. Que eles cuida do aluno como se fosse o próprio filho pra ler dia a dia eles busca isso. Muitas vezes ele funciona como o protetor mesmo do aluno. Você vê que tem situações e os professores eles saem da casa familiar tudo eles envolvem isso. Eles buscam mesmo o bem para o aluno e a gente sabe que eles estão tendo sendo beneficiados com esse plano de cargo e salário. E é bom ser beneficiado mesmo merecido só que a gente tem o outro lado que a gente está que está não está sendo beneficiado o próprio servidor da educação que é as cantineiras. Além das cantineiras, auxiliares de creche, tem os atas também probatórios, tem os outros atos. Então muitas pessoas estão sendo ali fluível do plano. Então se não estão sendo atendida e o que que eu estou buscando é pra aqueles que realmente estão sendo excluídos aqueles que não estão sendo visto nem como servidor. Eles estão sendo visto por qualquer um e prestaram conclusão de uma forma e trabalha muito igual as cantineiras. O quanto que as cantineiras trabalham. Elas realmente elas estão ali ela faz vários benefícios pra comunidade e elas também faz parte da educação. Imagina uma escola sem catineira. Muitos alunos saem de casa sem ter forrado do estômago. Então vai aí chega lá fica a merenda maravilhosa. Toda tem a cantineira que planta horta no fundo da escola. Da comida ficar com mais gostinho ali, planta uma cebolinha, planta uma couve. Está bom o cheiro da comida, o cheiro da merenda pra melhorar a merenda. Mas é só os alunos não com os professores que sai de casa correndo. E não tem tempo de merendar e chega nesse procura merenda, procura um café, leva um pão pra ser feita, as cantineiras com todo carinho lá, atender os professor e não é possível que eles vão ser esquecidos nessa hora, queremos é isso, nós queremos que todos sejam favorecidos em plano de cargo de salário e também além de cada salário, nós temos o estatuto do servidor que é importante pra nós. São dois projetos. O outro. A gente fica olhando e tem várias coisas ali está prejudicando o servidor.”

A entrevista foi concedida a jornalista Rosenilda Alves do periódico Folha Popular

Repórter: Euclides Éder

Ouça a reportagem:

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Solverwp- WordPress Theme and Plugin